domingo, 27 de março de 2011

Mastros $$$

O orçamento do Tiki 26' já está pronto, o que influencia demais é o preço do mastro. Se for de madeira, o que eu acho pesado, fica barato. Mas um perfil redondo de 5" com parede de 1/8" em liga T6061, não acho para vender, somente de 4". Então provavelmente será de madeira. Achei um desenho na internet que eu achei legal e deve ficar bom.



















A outra maneira de fazer um mastro de madeira é como JWD recomenda, junta-se 4 tabuas e depois arredonda, como abaixo:




















Os dois metodos são dificeis e eu quero fazer o meu mastro em aluminio, com o top e o pé em madeira.
















Se puder usar perfil  4" será otimo, mandei um e-mail para JWD  para saber o que eles acham, vamos aguardar.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Viagem a floripa

No sábado dia 19 eu e Andrea pegamos um avião, um não dois, e chegamos a Florianópolis para conhecer Roberto Costa Souza do Estaleiro Artesanal e velejar no Tiki 26 Paikea. Foi o máximo. 






















Chegamos de avião e eu da janela olhava o mar, marrom, cheio de carneirinhos, tava ventando bastante...uns 15 / 20 nós, o avião, eu acho que pousou de lado, não vi, pois fechei o olho...pra vcs verem o stress, nem a câmera eu peguei. Em terra pegamos 3 rápidos ônibus integração e em 1h30 estávamos na ponta norte da ilha, em pontas das canas.


















Pontas das Canas não é muito abrigado, fica no canto direito de Canasvieiras que é uma praia turística e fica cheia no verão. Ao chegar, lá fomos direto ver o barco, mas estava ventando muito e o caique a remo ia ficar dificil  e perigoso de cansar os braços e ser arrastado para alto mar, abortamos a saida para domingo.



















Passamos a tarde Conversando sobre construção de barcos. Principalmente sobre o a linha Tiki e seus diversos tamanhos e suas relações custo beneficio, os diversos aspectos de construção que James Wharram desenvolveu, que simplificam o Barco e baixam os custos. Conheci o ToaToa, Tiki 26 que está sendo terminado no quintal de Roberto a 100m do mar. 


















No Domingo, acordamos cedo e fui logo acordando todo mundo, Pegamos as coisas eu e Roberto e fomos pegar o caique na marina para pegar o barco e combinamos com as mulheres de pega-las na praia, uma facilidade do Tiki que pode encalhar na areia. Dali partimos para uma velejada tranquila, saimos no motor (um 15hp de popa usado) mas logo pegamos um vento fraco eu quis testar um contra-vento e fui em direção da ilha do Françês, montei-a por boreste e 2 milhas a frente, atravessando para o continente, o vento acabou, mais um pouquinho de motor e estavamos em Armação da Piedade, uma daquelas enseadinhas maravilhosas que existem ao longo do Canal entre a Ilha de Florianopolis e o Continente. Novamente encalhamos na Praia e amarramos o Paikea no banco da praia.
Roberto e sua esposa Gorete

Rogerio e Roberto curtindo as rajadinhas entrando


O Cockpit espaçoso do Tiki traz segurança para a mulherada... 

Roberto relax Wharran style

Chegando a Armação da Piedade



Andrea curtindo a proa de bombordo

Nada de ancora...
Paikea






































































Na volta o vento rondou e entrou de nordeste fraco, porem melhor de que na vinda...subimos um pouco no contra-vento e aribamos num traves gostoso de volta.

O Tiki 26 me pareceu um barco bastante marinheiro, apesar do vento não ajudar a fazer um teste mais forte, foi um passeio incrivel, que dois casais podem fazer, com bastante espaço de sobra para as crianças. Um barco onde podem dormir de duas a quatro pessoas e que comporta um day sailing com uns 6 com conforto.
Já estou visualizando os passeios na Baia de Guanabara e as idas a Ilha Grande, com direito a médias de 7 nós.




sexta-feira, 11 de março de 2011

O Layout

O Layout está definindo o tamanho do barco. Para ficar igual ao da imagem tem que ser um TIKI 30'

quinta-feira, 3 de março de 2011

WingSails - o conceito

James Wharram conta em seu site como desenvolveu o conceito das Wing Sails para seus barcos.


O Mastro Tiki

por James Wharram

Desenhos de Boon Hanneke


"É uma vela caranguejeira", dizem. "Não", eu digo: "Olhe para as fotos e desenhos. O que você está olhando é uma soft Wing Sail".


Ver a vela TIKI como uma vela carangueja antiquada ou um nova evoluição soft Wing Sail é uma questão de disputa.
Hoisting and handling wingsail




O que não está em causa é, desde que nós desenvolvemos a vela TIKI em 1981 para o então novo TIKI 21, projeto de Catamarã, com mais de 2.000 barcos produzidos, incluindo muitos maiores cruzeiros oceânicos, usam a evolução do TIKI 21. Não há outro tipo de evolução da vela(velas diferentes das convencionais latinas) que tenha sido utilizada em tantas embarcações ou tão amplamente testada.


Agora, um público mais vasto do que os donos de catamarã Wharram estão perguntando sobre as vantagens desta plataforma.
100 anos atrás, na Grã-Bretanha, o equipamento principal para navegar iates pequenos era a vela caranguejeira adaptada de barcos de pesca. Ela tinha uma testa com manga curta e no top um longa e pesada caranguejeira. Para o trabalho no contravento em ventos fracos, uma pequena vela de gávea era içada no top(veja fig 2).

Este equipamento tinha evoluído em barcos de pesca de arrasto para puxar um rede pesada. É um equipamento que exige trabalho duro e habilidade para tirar o melhor proveito dele.

Na década de 1930, a nova vela 'Bermudas'(ou Latina), com a sua adriça individual, sem fisga e sem gávea, agradaram ao velejador do dia a dia, especialmente iatistas fim de semana, regateiros, era facilmente manipulada , e orçava de cerca de 5 ° a mais que as antigas.

Após 60 anos de "desenvolvimento", a tradicional mastreação triangular latina não é mais o equipamento simplificado de 60 anos atrás. Com seus muitos acessórios, garrunchos, trilhos, reduções dentro das retrancas, que acabou por ser um equipamento caro. É pobre no vento em popa, exigindo um balão para corrigir esta deficiência, o que é difícil de lidar em mares agitados.

Em meados de 1970, Hanneke Boon, minha parceira holandesa, e eu, assistiamos a uma série de palestras sobre a aerodinâmica das velas, realizada na Universidade de Bristol, com a principal autoridade da Grã-Bretanha em aerodinâmica vela, Tony Marchaj, como orador de destaque.

Durante as palestras foi afirmado, que a vela ideal teria o perfil de asa Messerschmidt "um semi-elípticas 'Spitfire Wing" ou quadrados derrubados. Teria camber facilmente controlado o torcer, e mais importante, nenhuma ou mínima turbulência no mastro na ponta da vela. Como conseguir isso na prática não fazia parte das palestras.

Durante a discussão sobre os perfis de vela ideal, eu sugeri que as caranguejeiras do Pacífico poderiam ser assim e os holandeses viam uma alta relação de aspecto entre vela carangueja e o perfil de moldar o Spitfire / Messerschmidt wing, que o alto, magro no top das velas Bermudas triangular.

Tony Marchaj concordou com a sugestão e, posteriormente, testadas velas
caranguejeiras do Pacífico em um túnel de vento. Ele veio com surpreendente bons números mostrando a sua eficiência aerodinâmica em relação ao equipamento das Bermudas (publicado pela primeira vez em 'Practical Boat Owner' em Novembro de 1988 e posteriormente em todo o mundo).

Na época, como um marinheiro prático, eu podia ver a movimentação, rizar etc ou seja, as dificuldades da vela
caranguejeiras do Pacífico e, portanto, não busquei o seu desenvolvimento.

Em 1981, nós estávamos projetando um veleiro catamaran rebocavel "Coastal Trek ', o chamado" TIKI 21'. Um mastro de curto, não maior que o barco / comprimento do reboque, fácil de levantar, era para ser um aspecto importante do projeto. Isto excluiu o uso da plataforma de Bermudas(Latina).

O "TIKI 21 ', construído em compensado / epóxi / fibra, com separação maior do casco que foi, então, a norma em catamarãs de cruzeiro e, para uma rápida desmontagem / conexão, vigas amarradas ao casco ( uma prática anteriormente feito somente pelos marinheiros antigos do Pacífico) foi o limite do tamanho do mastro que nos levou a voltar a pensar nas
'caranguejeiras do Pacífico '.
Wingsail - traditional rigs
Uma idéia mais ousada, e o projeto estava chocando o comprador convencional. Então Hanneke, (lembre-se, meu parceiro de projeto é holandês) que aplicou os princípios aerodinâmicos, como discutido no Simpósio de Bristol. Um equipamento similar aos desenvolvido ao longo dos séculos barcos à vela de passageiros na navegação interior da Holanda. (Ver Fig.2 )

Veja a figura 2




Wingsail - winds eye view
O equipamento holandês é excelente na sua simplicidade brandais, que por si só, produz menos turbulência aerodinâmica de um mastro Bermudas carregando uma área vélica de igualdade e envolve numerosos (ver figura 1.)
Veja a figura 1




Foresail of 'Spirit of Gaia' with all details showing.
O grande salto em frente que nós fizemos foi remover a turbulência principal do topo do mastro grande( já que não haveria vela de gavea, pra que mastro acima da caranguejeira?) e dos holandeses uma manga mais comprida na testa da vela grande envolvendo ao redor do mastro em um bolso de testa larga (ver Fig.I e foto A)


Originalmente, esperava-se problemas a este conceito para, no final de 1970, Garry Hoyt, um americano, projetou o equipamento de "Liberdade", com altura, mastro sem estais e uma dupla camada de vela nas Bermudas, que foi para a direita em torno do mastro, dando uma ponta para a vela sem turbulência do mastro principal. Ele era, obviamente, trabalhar a partir dos mesmos princípios aerodinâmicos como nós. Por alguma razão, depois de alguns anos, o iates 'Liberdade' voltou a usar mastro convencional. Nenhuma razão foi publicamente anunciado para esta mudança, mas deve ter havido alguma razão prática para este retrocesso.
Tiki wingsail hoisting
Em 1981, defendemos que uma 'Wide Pocket' (manga de vela) ao redor do mastro seria uma solução viável para reduzir a turbulência do mastro. Assim, nos aproximamos de Jeckells Wroxham, fabricantes de velas da época, quando a nossa vela foi projetada primeiramente, ocorreu um problema inesperado.
Veja a figura 3
Sailmakers já utilizam o software de computador ligado a máquinas de corte a laser. Qualquer vela grande, que tivesse mais de três lados fazia o sistema sailmaking moderno ficar confuso.
Felizmente, com a Jeckells e a experiência da família (que remonta ao século passado), fomos capazes de contornar as rígidas "mentes computador, mas não sem várias velas mal moldadas nos primeiros testes.
Tiki 21 sailing in France
Depois que as velas desenhadas no computador estavam prontas, os proprietários de catamarã TIKI foram logo mandando de volta com entusiasmo. (Ver a foto B) As pessoas que queriam um barco simples "Coastal Trek 'descobriram que, além disso, eles foram capazes de transmitir maior segurança que a mais cara vela triangular latina no vento em popa. Mais importante foi que em uma tempestade e um mar agitado conseguiram fugir na direção do vento, é de fácil rizar/içar as velas (inspirados na mastreação polinésia) e confiável, poderia içar a vela a qualquer momento uma pessoa, inclusive no contravento, sem garuncho.
Veja a foto B
Tiki wingsail reefing
Veja a figura 4
Tiki 28 in the Fal Estuary
Uma boa maneira de verificar é testar e comparar com os outros barcos. Um dia, fomos para agua em Falmouth Estuary, perto de casa, diversos barcos na agua e nós com aquele mastro pequeno e a vela diferente, mas nosso TIKI28 passou todos de seu tamanho e até alguns maiores...!!!
Veja a foto C
Logo que o choque passou, eu estava inspirado. Meu maior problema de projeto dos ultimos 40 anos estava resolvido. Duas mastros menores, mais fácil e mais leve velas (lembrando que não tem retranca). Em multi-cascos, dois mastros têm, mais importância, têm um baixo centro de esforço comparado com plataformas de mastro único, dando menos força a capotar. montamos um para testar.
Tiki 31 with schooner rig passing Tiki 28
Este catamarã com dois mastros Soft Wing Rig, que tínhamos desenvolvido, orçava mais e era veloz
Tiki 36
Isso significava que, com dois mastros, existe o realinhamento das tensões e são velas menores de manusear, nós poderíamos projetar TIKI's maiores (como os posteriores "TIKI 36 , 38 e 46', veja foto E)
E veja foto
Até o final dos anos 1980, eu estava ficando um pouco incomodado pelo meu construtores envio de cartas e cartões de todos os lugares exóticos do mundo, dizendo o quão maravilhoso é a vida de vela e pedir: "Por que não aqui?" Eles estavam certos. Um bom lugar para rever as idéias sobre a concepção barco é no meio do oceano.
Então, inspirado por "navios" a canoa à vela do Pacífico antigos, nós projetamos e construímos um 63ft. (19.19m) canoa dupla / catamarã e usou os dois mastros de vela SOFT WING SAIL, que tinham desenvolvido nos projetos TIKI.
'Spirit of Gaia' in the Mediterranean
Desde o lançamento, em 1992, temos vivido nesta canoa dupla, o "SPIRIT OF GAlA ', costeiras, inter-ilhas e alto mar, no Mediterrâneo, Atlântico ou Pacífico. (Veja fotos F)
Veja foto de F
Com centenas de observações de registro com base em uma ampla gama de instrumentos de navegação, podemos confiantemente escrever que, carregando equipamento, funcionando plenamente até a força 5, a 45 ° de orça, ela sairá na metade da velocidade do vento aparente. Em qualquer outro ponto da vela, a partir de um feixe de vento de popa morto, ela sairá em 90% a AWS (velocidade do vento aparente) - ver 'Nomads of the Wind', Practical Boat Owner, Novembro de 1994.
'Spirit of Gaia'- foresail with 4 reefs taken in gale conditions in South Pacific
1996, no Pacífico, foi um ano mau tempo, com rajadas pesadas e ventos fortes, mas o meu co-criador, Hanneke Boon e sua afilhada de 18 anos de idade, Freya MacKenzie do Canadá, foram sempre capazes de içar as velas ou rizar ( 475sq ft - 44.1m2 cada), em todos os pontos do vento, sem a utilização de guinchos. Ela é grande marinheira, mas a qualidade do equipamento deve ter algum crédito. (Veja Foto G)
Veja a foto G
O nosso trabalho no desenvolvimento de vela TIKI já nos deu confiança para avançar com o estudo e desenvolvimento das Sof Wing Sails inpirada nas caranguejeiras do Pacifico.
Tiki wingsail key advantages
Parece que um caminho a seguir para a plataforma de vela de cruzeiro de barco moderno não é acrescentar mais complexidade e custo para o equipamento desenhado a sessenta anos, mas acrescentar conhecimento e materiais modernos.
Veja a figura 5
O designer de multicascos Nigel Irens com o seu novo modelo de vela 'ROMILY "Lug fez isso. entusiastas da vela Junk estão fazendo isso. Nós temos feito isso. Para ser um pioneiro em direção a estes "novos" acontecimentos, usando plataformas de vela tradicionais como ponto de partida não é necessariamente caro. Tudo que precisa é uma mente aberta, sentido comum e da vontade de tentar.
- Tradução Rogerio Martin + google translator
P.S. Roger comennts: " olhem a vela do Sodebo - Maxi Catamarã de 90 pés que está dando a volta ao mundo neste momento e tentando bater o recorde de Volta ao Mundo Solo non-stop . lembra a dos Tikis..."